domingo, 7 de novembro de 2010

Por determinação judicial a Prefeitura de Analândia deve fornecer Transporte para tratamento médico


Disponibilização: Quarta-feira, 3 de Novembro de 2010 Diário da Justiça Eletrônico - Caderno Judicial - 1ª Instância - Interior - Parte III São Paulo, Ano IV - Edição 825 342
283.01.2010.006057-8/000000-000 - nº ordem 715/2010 - Procedimento Ordinário (em geral) - ANTONIO AUGUSTO TORQUESI X MUNICÍPIO DE ANALÂNDIA E OUTROS - 1. Defiro a AJG. Anote-se. 2. Fls. 28. Recebo como emenda à inicial, para incluir no pólo passivo também o Estado de São Paulo. Anote-se. 3. O autor Antonio Augusto Torquesi, a partir da leitura da inicial e da emenda de fls. 28, pleiteia o fornecimento de medicamentos pelo Estado de São Paulo (tendo em vista as referências à “Dir” às fls. 11, “a” e “b”) e o fornecimento de transporte pelo Município de Analandia. 4. Quanto ao fornecimento do transporte, trata-se de providência que, à luz dos documentos acostados aos autos, faz-se necessária para assegurar o tratamento adequado de saúde do autor, no município de São Paulo. Segundo a jurisprudência, o ente público possui tal obrigação e, ao menos até o presente momento, não há prova de que o autor possa receber tratamento de eficácia equivalente em Analândia ou cidade mais próxima, motivo pelo qual, por cautela, impõe-se o deferimento da liminar, com fulcro no art. 283 do CPC, para tutelar o direito à saúde. Nesse sentido:”MANDADO DE SEGURANÇA. Negativa de fornecimento gratuito de tratamento de saúde por oxigenoterapia hiperbárica a ser realizado em município diverso daquele onde a impetrante reside. Necessidade de transporte. Pessoa hipossuficiente e portadora de sofrimento do retalho abdominal, pós cirurgia de reconstrução mamaria. Direito à saúde, assegurado pela Constituição Federal. Recurso da impetrante provido, quanto à concessão do transporte. Recursos voluntário da Fazenda Estadual e ao oficial, não providos.” (Ap. 994081102074, Peiretti de Godoy, Bauru, 13ª Câmara de Direito Público, j. 26/08/2009, r. 21/09/2009)”MANDADO DE SEGURANÇA - Pretensão de receber auxílio-transporte do Município para locomoção até Município vizinho onde realiza tratamento médico - Admissibilidade, face às disposições constitucionais que dispõem ser a saúde dever do Estado - Direito líquido e certo existente - Sentença mantida - Recurso improvido.” (Ap. 994071824869, Aloísio de Toledo César, 2ª Câmara de Direito Público, r. 07/08/2007)”Apelação - Mandado de Segurança Determinação ao Estado para que forneça transporte ao impetrante para tratamento em cidade vizinha - Sentença Procedente - Pretensão pode ser dirigida em face da União, Estado ou Município - Atribuições solidárias - Indispon-ibilidade do direito à saúde - Norma constitucional que impõe ao Estado a assistência à saúde dos cidadãos, independente da burocracia estatal - Prova de que é portador de moléstia grave (paralisia cerebral), necessitando de transporte diário, no horário especifico e veículo apropriado - Comprovação de inexistência de tratamento completo na mesma cidade - Preliminares afastadas, recursos desprovidos”. (Ap. 994051254900, Samuel Júnior, r. 03/10/2006)5. Quanto ao fornecimento de medicamento pelo Estado de São Paulo, o autor não juntou relatório ou atestado médico, ou outra prova, indicando que efetivamente necessite dos medicamentos pleiteados. Assim, falta prova inequívoca da verossimilhança da alegação. Sem prejuízo, determino à serventia que oficie a(o) Diretor(a) do Departamento Regional de Saúde X - Piracicaba (Rua do Trabalho, 602 - CEP: 13418-220, Piracicaba - SP - fone: (19) 3437-7401 / 3437-7401 / 3437-7402 / 3437-7403 / 3437-7404, e-mail drs10@saude.sp.gov.br), instruindo-se o ofício com cópia da inicial, com prazo para resposta de 20 dias, solicitando se as prestações de saúde consistentes em fornecimento de Amiodarona 200mg, Espirolactona 250mg, e Carvedilol 3,125mg (i) são fornecidas pelos SUS? (ii) caso positivo, para o tratamento de quais doenças? (iii) caso negativa, com qual fundamento normativo e fático?6. Ante o exposto, DEFIRO em parte a liminar para determinar ao Município de Analandia que providencie o transporte necessário para que o autor faça o adequado tratamento na cidade de São Paulo. 7. Cite(m)-se o Município de Analandia e o Estado de São Paulo, e intime(m)-se, ficando a(s) parte(s) ré(s) advertida(s) do prazo de 60 (sessenta) dias para apresentar(em) a resposta, sob pena de serem presumidos como verdadeiros os fatos articulados na inicial, nos termos dos artigos 285 e 319 do Código de Processo Civil. Servirá a presente, por cópia digitada, como mandado. Cumpra-se na forma e sob as penas da lei. Int. - ADV HELLEN CRISTINA PICCA PREDIN OAB/SP 224751

5 comentários:

  1. ANTONIO AUGUSTO TORQUESI7 de novembro de 2010 19:04

    EU ANTONIO AUGUSTO TORQUESI VENHO POR INTERMÉDIO DESTE BLOG AGRADECER A DEUS AO TRABALHO DA DR. HELLEN C. P. PRENDIN DE SÃO CARLOS PELO ÁPOIO E DEDICAÇÃO DE MINHA CAUSA ,E SEMPRE QUE ALGUEM NECESSITAR PROCUREM A OAB DE ITIRAPINA ONDE SERÃO BEM ATENTIDOS OBRIGADO A TODOS.

    ResponderExcluir
  2. PERSSEGUIÇÃO E DIAS CONTADOS7 de novembro de 2010 20:08

    PROCUREM SEUS DIREITOS DE CIDADÃO , PERSSEGUIÇÃO ESTÁ COM OS DIAS COTADOS.

    ResponderExcluir
  3. Hhahahahhaha,perderam de novo...
    Até quando vão se achar os donos do pedaço,e querer negar os direitos dos cidadões...

    ResponderExcluir
  4. Parabéns Sr. Antonio pela coragem e determinação, pois ambulância é direito de qualquer cidadão.

    ResponderExcluir
  5. COITÁDO DO VÉIO, ISSO DÓI.

    ResponderExcluir

Aqueles que desejarem citar nomes deverão se identificar, pois todos tem direito de defesa e de resposta.
Mas ressaltamos que comentários caluniosos, não serão publicados.
Aproveite este espaço que é seu, usando da melhor maneira!
O Blog Unidos Por Analândia é instrumento sério que busca a verdade e o bem da população Analandense abrindo esse espaço para manifestações e informações!!!